Cavalhadas de Goiás podem se tornar Patrimônio Imaterial do Brasil

Realizadas há mais de 200 anos, as tradicionais Cavalhadas de Goiás podem se tornar Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil. As festas ocorrem entre junho e setembro, movimentam as cidades e atraem visitantes. Segundo o Governo Estadual, o pedido será entregue ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) nesta segunda-feira (19).

No documento criado a pedido da Superintendência de Patrimônio Histórico, Cultural e Artístico da Secretaria de Cultura de Goiás (Secult Goiás), são evidenciados aspectos históricos, estéticos e sociais das festas das Cavalhadas.

O pedido detalha como, ao longo de dois séculos, as festividades se enraizaram no cotidiano das comunidades, consolidando-se como relevante expressão para a compreensão da identidade e memória da sociedade brasileira.

Além do governador Ronaldo Caiado (DEM) e do secretário da Secult, Edival Lourenço, os prefeitos de 11 municípios que sediam as Cavalhadas assinam o texto que solicita o reconhecimento do Iphan.

Para o chefe do Executivo estadual, o reconhecimento do Iphan é merecido e muito importante para as Cavalhadas de Goiás pelo significado histórico. Já o secretário acredita que os eventos tradicionais representam o que há de mais original na cultura goiana.

Tradição

O cenário das Cavalhadas consiste em uma representação das batalhas entre cristãos e mourosque ocorreram durante a ocupação moura na Península Ibérica (século IX ao século XV). A festividade ocorre em 11 municípios: Pirenópolis, Santa Cruz de Goiás, Palmeiras de Goiás, Posse, Jaraguá, Crixás, Hidrolina, São Francisco de Goiás, Santa Terezinha de Goiás, Corumbá de Goiás e Pilar de Goiás.

São dois exércitos com 12 cavaleiros cada, que durante três dias se apresentam, encenando a luta. Em meio a tudo isso, os mascarados saem às ruas, a cavalo ou a pé, fazendo algazarras. Entre uma região e outra, pequenas mudanças são percebidas nas Cavalhadas. Porém, todas têm a mesma tradição e regra. É um evento que ocorre logo após os festejos do Divino Espírito Santo.

Registro

O pedido de tombamento das Cavalhadas de Goiás será inserido dentro do Registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial. Por meio dele, se reconhece que um bem faz parte do patrimônio cultural da nação brasileira. O registro é efetivado por meio da inscrição em um ou mais livros.

No caso das Cavalhadas, a tendência é que, aprovado, o registro possa ser inserido no Livro de Registro das Celebrações (para rituais e festas que marcam a vivência coletiva do trabalho, da religiosidade, do entretenimento e de outras práticas da vida social) e/ou no Livro de Registro de Formas de Expressão (destinado à inscrição de manifestações literárias, musicais, plásticas, cênicas e lúdicas).   ( É Mais Goiás )

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *